sexta-feira, 15 de outubro de 2010


SEGUNDA-FEIRA, 29 DE DEZEMBRO DE 2008

ASTRONOMIA DE ENERGIA, RADIAÇÃO, FLUXOS, VARIAÇÕES, AFASTAMENTO E EQUIVALÊNCIA.

ASTRONOMIA DE ENERGIA, RADIAÇÃO, FLUXOS, VARIAÇÕES, AFASTAMENTO E EQUIVALÊNCIA.

QUINTA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA.

AUTOR. ANCELMO LUIZ GRACELI.
Brasileiro, professor, pesquisador teórico, graduado em filosofia.
Cariacica. Espírito Santo. Brasil.

colaborador. MARCIO PITER RANGEL


TEORIA DA ENERGETICIDADE, ORIGEM, PROGRESSÃO E AFASTAMENTO.


ASTRONOMIA DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO – PRIMEIRA PARTE


DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR – EXCETO DEUS. POIS É O ÚNICO ABSOLUTO.


ORIGEM E NATUREZA DOS ASTROS POR PROCESSOS FÍSICOS, RADIAÇÃO E AFASTAMENTO.

Trabalho registrado na biblioteca nacional.









APRESENTAÇÃO.

Nenhuma outra teoria apresentada anteriormente teve a abrangência de calcular e incluir novos fenômenos em uma teoria como a da energeticidade e radiação, e a possibilidade de prever o passado e o futuro do sistema solar, da matéria e do cosmo.

Para provar esta teoria uso a temperatura, a radiação, o diâmetro, e a densidade dos astros, com varias fórmulas e constantes diferentes, onde é determinada a energia do astro.

Interações físicas, temperatura, radiação, diâmetro e densidade representam a energia em processamento do astro.



OS PONTOS PRINCIPAIS.

1 - a origem dos secundários pelo material da radiação.
2 - A origem da dinâmica pela energia, interação física, e sua radiação,
3- e a energia produzindo rotação radiação e deslocamento no espaço, onde os astros são produzidos e desenvolverão a sua dinâmica e afastamento conforme a origem, energia interna, radiação e rotação.
4- a origem das estrelas por nuvem de gases formados por espaço denso.


TEORIA DA ORIGEM E A NATUREZA DOS ASTROS POR INTERAÇÃO FÍSICA, RADIAÇÃO E ENERGIA.

Na verdade se vê que o sistema solar, e todo universo e sua dinâmica se encontram numa construção constante, onde planetas se originam do Sol para dar origem a satélites. E cometas correm como crianças riscando o céu do espaço com a sua luz em pontos diferentes e velocidades diversas, e todos os planetas, satélites, e meteoros também produzem órbitas diferentes.


FLUXO E AUMENTO DE ÓRBITAS.
ÓRBITAS FLUXONÁRIAS.


As órbitas são fluxonária e expansionistas que é observada com mais facilidade nos cometas de períodos longos e periélios pequenos.

Nos períodos longos dos cometas é possível observar que as órbitas dos astros não são constantes, e que possui uma pequena variação de acréscimo e decréscimo, e um mínimo aumento com o passar dos tempos. O que confirma a posição atual dos astros e asteróides.

O fluxo mínimo também está presente nas excentricidades, nas inclinações e dinâmicas.


FLUXO DE ÓRBITA EM RELAÇÃO AO TEMPO.

A cada sete órbitas da Terra há um acréscimo de três segundo, ou seja, o planeta atrasa três segundo na sua velocidade de translação. Depois ele passa a diminuir estes três segundos por sete órbitas, ou seja, aumenta a sua velocidade durante este período de órbitas.

CÁLCULO PARA FLUXO ORBITAL.

Fluxo de acréscimo de tempo em cada período = número de períodos até sete
Fluxo de decréscimo de tempo em cada período= número de período até sete.

Acréscimo de período =cada período em ano somado com três segundos.
Decréscimo de período = cada período em ano subtraído em três segundo.

FÓRMULA.
Período multiplicado por três segundos acrescidos ou diminuído.

Ou seja, o fluxo é de três segundos para cada período em ano.

Assim, se a Terra possui um período de um ano ele em cada ano tem um fluxo de 3 segundos, que se mantém até sete anos como acréscimo, e depois se torna decréscimo.



CÁLCULO PARA O COMETA HALLEY.

76 anos * 3 segundos = 228 segundos acrescidos em cada período durante sete períodos, e decrescidos durante sete períodos.

No cometa Halley se confirma com clareza este fluxo de órbita, que chega a ser de até de quatro minutos em cada período de fluxo de sete períodos, ou seja, num fluxo de sete períodos a velocidade aumenta diminuindo o período em até quatro minutos, depois do fluxo de sete períodos a velocidade diminui aumentando o período.

O FLUXO DE ÓRBITA É FÁCIL DE SER CONFIRMADO COM OS COMETAS.

A dinâmica é própria variando com o impulso da radiação, energia e o acréscimo no afastamento entre os astros, assim surgem e acabam os átomos, as atmosferas e os astros.


FLUXO DE ROTAÇÃO, FLUXO DE VELOCIDADE DE TRANSLAÇÃO, FLUXO DE EXCENTRICIDADE E DE INCLINAÇÃO.

Assim como o afastamento possui um fluxo mínimo, a rotação e a translação desenvolvem um fluxo mínimo em segundos. E a excentricidade e as inclinações também desenvolvem um fluxo mínimo em graus.


PRINCÍPIO DA EQUIVALÊNCIA.

Quando um astro possui inclinação grande, provavelmente a sua excentricidade também será grande, e vice-versa.


E astros grandes e próximos de seus primários terão grandes dinâmicas e potencial de afastamento, e poucas inclinações e excentricidade.

E astros pequenos e distantes de seus primários terão pouca e decrescente dinâmicas e grande inclinações rotacional e translacional, grandes excentricidades.


A TEORIA SE FUNDAMENTA EM VÁRIAS EXPLICAÇÕES.

A cosmológica - que se fundamenta através da origem do universo e dos planetas de um processo de radiação e de interação física.

Uma explicação astrofísica - A radiação que é produzida de interação física na produção de energia produz e dão origem aos cometas, satélites e planetas.

Uma explicação química - Os elementos químicos pesados levaram mais tempo para se processar, por isso estão em maior abundancia no núcleo do astro.

Uma explicação astronômica - A disposição e o movimento dos planetas em volta do Sol, e dos satélites em volta dos planetas.

Uma explicação de unificação - Todos os campos são um só, pois não existe infinidade de campo. E todos estão relacionados com interações físicas na produção de energia.

Sê os planetas e os satélites fossem fundidos de uma só vez, os satélites circulariam em torno do Sol e não em torno dos planetas, logo se vê que a radiação do Sol que produziu os planetas, e que a radiação dos planetas deu origem aos satélites.

Quanto mais distante o planeta maior o seu número de satélites e menor é o seu tamanho a partir dos planetas exteriores.

E a progressão de origem tanto no afastamento, distancia translação e numero de planetas.

Sê a origem fosse num só momento, a translação não diminuiria progressivamente, seria a mesma tanto para Mercúrio quanto para Plutão, pois eles teriam o mesmo momento de origem.

O QUE PROVA A ORIGEM PELA RADIAÇÃO É:

A progressão das distancia.
A progressão da translação.
A progressão do numero de satélites que varia com a distancia e o diâmetro.
Que é representada aí a idade e a energia do satélite.
A progressão da circularidade.



Por sua vez a teoria da energeticidade e radiação prova não só a origem do astro, mas sim a sua rotação, translação, afastamento, e outros fenômenos.

O afastamento é provado além da progressão também através da distancia entre Marte e Júpiter.

Júpiter tem 3.5 vezes a distancia de Marte e é uma relação densidade e de diâmetro de oito vezes de Júpiter para Marte, com isto vemos que o primeiro planeta a ser fundido foi Júpiter que levou mais tempo na sua formação.

E enquanto era fundido se distanciava de Marte que ainda era apenas poeiras de radiação.


VER CÁLCULO DE AFASTAMENTO NA COSMOGÊNESE.

RELAÇAO DENSIDADE DIÃMETRO PARA A DISTANCIA ENTRE OS PLANETAS.

5.7 de Densidade. Diâmetro. Para um da Terra.
5.2 de distancia para um da Terra.

5.7 para 0.9 de Vênus.
5.5 para 0.7 de distancia Para Vênus.

5.7 para 0.67 de Júpiter
5.9 para 0.4 de distancia para Mercúrio.

Júpiter por ser o maior teve mais energia e mais tempo para se distanciar de Marte, por isto um espaço que é o dobro na progressão do afastamento. E na formula será multiplicado por mais dois.

PROGRESSÃO DE AFASTAMENTO PELO ÍNDICE 1.6.

58 * 1.6 =92 Mercúrio a Vênus
92 * 1.6 = 148 Vênus a Terra
148 * 1.6 = 238 Terra a Marte.
238 * 1.6 = 390 *2 = 780 de Marte a Júpiter.
780 * 1.6 = 1248 Júpiter a Saturno.
1248 * 1.6 = 1996 Saturno a Urano
1996 * 1.6 = 3194 Urano a Netuno
3194 * 1.6 = 5511 Netuno a Plutão.

Outras teorias não fizeram esta progressão de afastamento entre os astros.

É bom saber que mesmo sendo o afastamento progressivo de fundamental importância para o sistema solar, os planetas se afastam do Sol menos de uns metros ao ano.

Enquanto a translação desenvolve um percurso de mais de 750.000.000 km / ano.

Este cálculo foi desenvolvido na cosmogenese de universo fluxonário estruturante.


Os números dos planetas exteriores após júpiter praticamente batem, ou seja, pela progressão do afastamento somado com a densidade +diâmetro / 2 fecham na equação com valor de progressão de um até nove.


O índice de progressão determina que o planeta que saiu na frente já possui uma diferença, e enquanto outro está sendo formado ele se distancia conforme o número de planetas formados e com a densidade e diâmetro levado na construção do mesmo. Plutão possui a distancia progressiva maior, porém Júpiter e Saturno possuem a maior progressão de afastamento, pois possuem os maiores diâmetros. Pois com mais energia se distanciará mais uns dos outros.

CÁLCULO DE VELOCIDADE DE TRANSLAÇÃO.

Velocidade de translação dividida pelo índice 1.33, onde é encontrado o subseqüente planeta. km por segundo / índice 1.33 = km/s.
48 / 1.33 = 36 de Mercúrio a Vênus
36/ 1.33 = 28 de Vênus a Terra
28 / 1.33 = 21 da Terra a Marte
21/ 1.33 =15 de Marte a Júpiter
15/ 1.33 = 11 de Júpiter a Saturno
11/ 1.33 = 8.5 de Saturno a Urano
8.5 / 1.33 = 6.5 de Urano a Netuno
6.5 / 1.33 = 4.9X (prog ( 2) de Netuno a Plutão prog. =progressão.

Aqui se prova que a progressão também está presente na velocidade de translação.
O índice 1.33 pode representar a radiação solar, se for dividido 3.9 por três será igual a 1.3.


NÚMERO DE SATÉLITES.

Os satélites variam conforme o seu distanciamento progressivo dos planetas e a sua densidade e diâmetro / 2, dividido pelo índice 2,3.
Se houver alguma dúvida na densidade, substitui a densidade por um, ficando diâmetro +1 /2.
Diâmetro + densidade /2 * progressão de 1 a 9 / 2,3 = número de satélites.

NÚMERO DE SATÉLITES PARA CADA PLANETA.

0.67 x 1 / 2, 3 = 0 Mercúrio
0.97 x 2 / 2,3 = 0 Vênus
1 x 3 / 2,3 = 1 Terra
0.69 x 4 / 2,3 = 1.1 Marte
5.7 x 5 / 2,3 = 14 Júpiter
4.6 x 6 / 2,3 = 13 Saturno
2 x 7 / 2 ,3= 7 Urano
1.9 x 8 / 2,3 = 6 Netuno.
0.6 x 9 / 2,3 = 3 Plutão

NÚMERO DE SATÉLITES.

A progressão das distancia entre os satélites de Júpiter prova que eles tiveram uma origem progressiva, e se encontram em afastamento, se distanciando uns dos outros, e a sua órbita deve-se a sua origem e a sua energia, pelas sobras de energia liberada no espaço por Júpiter.

E todos os seus fenômenos orbitais estão ligados a sua produção de energia interna e recebida inicialmente da radiação de Júpiter, e varia progressivamente com o afastamento.


PROGRESSÃO DE DISTANCIA ENTRE OS MAIORES SATÉLITES DE JÚPITER, PELO Índice 1.5.

Maiores 420.000 * 1.5 = 671.000 de Io a Europa.
Maiores 671.000 * 1.5 = 1.070.000 de Europa a Ganimedes
Maiores 1.070.00 * 1.5 = 1.884.000 de Ganimedes a Calisto
Maiores 1.884.000 Calisto
11.470.000
11.700.000
11.900.000
21.200.000
22.500.000
22.500.000
23.400.000
23.600.000

VARIAÇÃO DECRESCENTE PARA O ÍNDICE DE AFASTAMENTO ENTRE OS ASTROS.

Vê-se que o índice diminui em relação aos planetas, enquanto nos planetas é 1.6, nos satélites passa para menos de 1.5, por terem menos energia para a propagação do seu afastamento.
E os mais distantes a progressão vai diminuindo, confirmando que por terem menos energia e por terem sido produzidos por planetas.

Conseqüentemente com menos energia, os mais distantes já diminuem na mesma proporção toda a dinâmica, rotação, translação e afastamento.

Enquanto vão perdendo o direcionamento da órbita e inclinação de rotação no espaço, tornando a órbita progressivamente irregular com a diminuição de energia.

Observação, em se tratando de cometas e asteróides o índice de progressão para afastamento diminui, e em relação às estrelas o índice aumenta.

PROGRESSÃO DE VELOCIDADE DE TRANSLAÇÃO KM/S DOS SATÉLITES DE JÚPITER.
17.4 / 1.33 = 13.9 de Io a Europa
13.9 / 1.33= 10 de Europa a Ganimedes
10/ 1.33= 8 de Ganimedes a Calisto.

AO SE AFASTAR O ÍNDICE DIMINUI.

Com isto o que faz um astro girar em torno de outro no centro e expandir é a sua energia interna e origem e não alguma força.

O afastamento e a origem provam-se pelo diâmetro dos satélites, e os quatro mais próximos de Júpiter são os maiores, provando que os mais distantes são menores por já terem entrado em desintegração, e há uma diferença de progressão dos quatro para os outros.

Provando que os quatro levaram mais tempo na sua formação. O mesmo acontece com os planetas, quando um planeta possui uma grande diferença de diâmetro há um salto enorme na progressão das distancia, da translação, rotação e excentricidade.

Aqui não foi considerado o satélite mais próximo de Júpiter que é o Amaltéia.



Como no caso de Júpiter e Saturno, isto acontece com os satélites dos outros planetas, e também nos cometas. Assim, planetas, satélites e cometas se originam do material de radiação, e o astro passa a ter um mínimo de afastamento, translação, rotação, excentricidade; circularidade, inclinação e desintegração.

As outras teorias não dão conta da origem, rotação, desintegração, número de satélite e os saltos das progressões tanto nos planetas quanto nos satélites.

A ORIGEM

Com o cálculo da desintegração de planetas exteriores, afastamento, número de satélites, progressões, confirmamos a origem dos planetas por progressão e radiação como também a origem dos satélites e cometas.

O número de satélites primeiro é proporcional a distancia e a progressão de afastamento e depois ao diâmetro que representa a energia liberada no espaço.

Por isso que os planetas exteriores possuem 15 vezes o número de satélites dos interiores.

O planeta mais distante levou mais tempo liberando energia no espaço, por isso que temos que ter a equação exposta acima.

Em cosmogenese se tem a origem dos secundários pela atmosfera, radiação e pacotes de energia.
Energia liberada + tempo desta liberação.

A radiação produz as fases das marés batendo direto sobre os oceanos.


PROGRESSÃO DA TRANSLAÇÃO ENTRE OS PLANETAS.

48 / 1.3 = 35 Mercúrio a Vênus
35/ 1.3 = 29 Vênus a Terra
29/ 1.3= 24 Terra a Marte
24/ 1.3= 18 Marte a Júpiter
18/ 1.3= 13 Júpiter a Saturno
13/ 1.3= 10 Saturno a Urano
10/ 1.3= 8 Urano a Netuno.
8 / 1.3 = 6.4 Netuno a Plutão


PROGRESSÃO DE EXPANSÃO NA INCLINAÇÃO ORBITAL.
Progressão dividida pelo diâmetro dividido por dois = INCLINAÇÃO.
1 / 0.67 = 1.4 Mercúrio
2 / 0.92 = 2 Vênus
Terra
4 / 0.69 = 5.7 Marte
5 / 5.7 = 0.8 Júpiter
6 / 4.6 = 1. Saturno
7 / 2 = 3.8 Urano
8 / 2 = 4 Netuno
9 / 0.6 = 15 Plutão.


PRINCIPIO DA ESTABILIDADE PELA ENERGIA.

A inclinação segue a energia do astro, por isso que os maiores possuem menos inclinação, e nos mais distantes ela é maior.
O mesmo se sucede com a inclinação rotacional, onde os maiores e com mais rotação possuem menos rotação, temos aí o principio da estabilidade pela energia. O mesmo acontece com a excentricidade. Isto se confirma nos planetas, satélites, cometas e asteróides.

PROGRESSÃO DE VELOCIDADE TRANSLACIONAL POR SEGUNDOS PARA OS SATÉLITES De Júpiter.

Km/ segundos
17.4 / 1.33= 13.4 de Io a Europa
13.4/ 1.33= 10.3 de Europa a Ganimedes
10.3 / 1.33= 8 de Ganimedes a Calisto.

Para os satélites mais distantes e com menos energia pelo gasto durante a sua vida, esta progressão vai diminuindo.
Vê-se que o índice 1.33 é o mesmo usado para os satélites e planetas.

PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE E PRINCÍPIO DA INVERSÃO.

Quanto maior o astro e com mais energia, maior será a sua dinâmica, e menor será a irregular da dinâmica.

E quanto menor e com menos energia, menor será a sua dinâmica e maior será a irregular da sua órbita e rotação.


PROGRESSÃO DE DISTANCIAS EM km, PARA OS SATÉLITES DE JÚPITER.


420.000 * 1.5 = 650.000 km. de Io a Europa
650.000 * 1.5 = 1.070.000 de Europa a Ganimedes
1.070.000*1.5 = 1.800.00 de Ganimedes a Calisto


PROGRESSÃO DE ROTAÇÃO EM HORAS.

Terra = 24
42 x 2 = 84 de Io a Europa
84*2 = 168 de Europa a Ganimedes
168*2 = 336 de Ganimedes a Calisto.

Vê-se que a progressão e o índice se mantêm, porém decresce nos mais distantes, confirmando a teoria da energeticidade e da origem pela radiação.

Os diâmetros dos satélites variam conforme o distanciamento, em que os maiores estão mais próximos e os menores mais distantes progressivamente. Confirmando a desintegração com o passar do tempo e gasto de energia.

A rotação e translação diminuem proporcionalmente, enquanto aumenta a progressão do afastamento.

O mesmo acontece com o diâmetro, excentricidade e a inclinação.

Os gases de Vênus darão origem a um satélite, enquanto os anéis de Saturno já estarão numa fase mais adiantada, onde os gases e a radiação se afastarão de toda a circunferência de seus primários.

Os anéis possuem velocidade de translação e afastamento, onde próximo ao Equador de Saturno surgirá um novo satélite com os gases que formam os anéis.

Os anéis de Saturno são uma prova da formação de satélites pela sobra de material da radiação de planetas.

INCLINAÇÃO DOS SATÉLITES INTERIORES DE JÚPITER.

J. 1 – io 1 grau.
Europa 3 grau.
Ganimedes 2 grau.

Não está relacionado aqui o Amaltéia – primeiro satélite de júpiter.

A rotação dos anéis de Saturno é uma prova da teoria das interações físicas e energia.

A inclinação e a excentricidade aumentam a proporção do afastamento, que é proporcional ao astro de origem (astro pai) e a sua densidade e diâmetro, como o diâmetro e desintegração são proporcional ao seu tempo de afastamento e radiação do astro pai. Pois o astro depende da quantidade de energia liberada do primário para ter como produzir todos os seus fenômenos e dinâmica.

Os fenômenos dos astros seguem este caminho; quanto mais distante, ele já gastou mais energia e se desintegrou mais e é mais velho.

Logo tem menos radiação, conseqüentemente, possui menos dinâmica e afastamento, o fluxo de variações é menor, e as excentricidades e inclinações aumentam.
Logo, todos os fenômenos dos astros dependem da produção de energia deles.

A rotação, a translação e a circularidade diminui proporcionar à progressão do envelhecimento. Ou seja, depende da energia inicial e da energia processada.

As excentricidades dos satélites variam de 0.01 a 0.378, enquanto os cometas ficam na casa de 0.3 a 0.96, com isto constatamos que os cometas possuem menos energia e são mais irregulares, enquanto os satélites são maiores e possuem maiores potencia de energia, com isto são menos excêntricos na sua elipse.


Índice 0.133 / [densidade +diâmetro /2] / +progressão de afastamento *2 / 100 = excentricidade.

Io 0.138/ 0.33 + 0,002 / 100 = 0,0042
Europa 0.138 /0,23 + 0,004 / 100 = 0,005
Ganimedes 0,138/0,23+0,006 / 100= 0,005.

A progressão da excentricidade é crescente.





CÁLCULO DE EXCENTRICIDADE POR AFASTAMENTO PARA OS COMETAS.

Os cometas de períodos mais longos, como o Halley e o Crommelin são os que possuem a maior excentricidade, menor circularidade e a maior inclinação.

Com isto se vê que a progressão está presente também nos cometas e que eles são os com menos energia, logo os mais velhos e com menos energia, por isso que eles estão desenvolvendo uma excentricidade e inclinação maior.

Índice 0.138 / densidade +diâmetro /2 + progressão de expansão pelo afastamento / índice
0.138 / (D.D/ ( 2)+ (progressão de expansão + ( 0.002) = excentricidade.

Oterma 0.24
Crommelim 0.91
Giacobini-zinner 0.7
Halley 0.96
Wippley 0.26
Eneckr 0.86
Borelly 0.62
Tempel2 0.54
Tempel1 0.52
Perine-mrkos 0.63
Temple-swilft 0.53
Kopff 0.54
Wild-2 0.54
Faye 0.57.

Isso tudo é para provar a teoria da energeticidade e radiação.

Vemos que a com maior excentricidade e inclinação são os dois de maior período, ou seja, os mais velhos e mais distantes. Que é o Halley e o Crommelim.

A PROGRESSÃO DE AFASTAMENTO NOS COMETAS ENCONTRA-SE NOS SEUS PERÍODOS DE ANOS.

Vê-se que a excentricidade dos cometas também obedece à densidade + diâmetro / 2, e o índice de afastamento, ou seja, do gasto de energia por processos físicos.

PRINCIPIO DO FLUXO VARIADO.

Nos cometas o fluxo de variação na dinâmica, afastamento, período em anos, órbita e outros fenômenos possuem melhores condições de ser observados por causa de mudanças de datas nas aparições quando próximo da Terra.


ROTAÇÃO DOS PLANETAS POR PROGRESSÃO EM RELAÇÃO À TERRA.

Diâmetro +2 / por progressão = rotação.
1+2/3=1 Terra
0.6+2/4=0.9 Marte
11+2 /5=2.6 Júpiter
9+2/ 6= 1.8 Saturno.
3.9+2/7=0.84
3.9 +2/8=0.73
0.5 +2/9 =0.27 24/0.27= 88 horas.
Como referencia a Terra igual a 24 horas.



ANALISANDO A ROTAÇÃO DE DOIS EM DOIS.

Se analisar os planetas de dois em dois, veremos que Mercúrio e Vênus possuem uma rotação acima de 1.400 horas, pois possuem uma uniformidade e imensa radiação em todas suas superfícies. Enquanto a Terra e Marte por serem produzidos com pouca diferença de tempo e diâmetro aproximado produzem uma rotação de 24 horas, já Júpiter e Saturno por terem quase o mesmo diâmetro e uma idade próxima produzem uma rotação aproximada de 10 horas, enquanto Urano e Netuno com quase o mesmo diâmetro e tempo de vida produzem uma rotação aproximada de 13 horas, já Plutão por ser menor e ter mais tempo de vida produz uma rotação de 150 horas.

CÁLCULO PARA GRANDES SATÉLITES
CÁLCULO DE NÚMERO DE GRANDES SATÉLITES DOS PLANETAS.

Através deste cálculo é possível calcular a existência de grandes satélites no sistema planetário solar.

Diâmetro + densidade / 2 / pelo índice dois.
D.D 2 /2= Nº. de grandes satélites.

Júpiter- 5.7 / 2 = 2.7 possui três satélites grandes.
Saturno 4.6 / 2 = 2.3 possui três satélites grandes.
Urano- 2 / 2 = 1 possui um satélite grande.
Netuno 2/2 = 1 possui um satélite grande.

Observação; Este resultado se aproxima do que foi observado até hoje por telescópico.
Prova-se que a energia se desintegra através de seus processos como forma de radiação, produzindo novos astros e seus fenômenos.
E os astros tendem a desintegrar por radiação conforme a energia processada, levando-os a diminuir o diâmetro, e toda a dinâmica.

Isto se confirma com o tamanho, atmosfera, radiação, temperatura externa, atividades tectônicas, desintegração, dinâmica e afastamento, e fluxo de variações dos fenômenos.
http://theoryofcosmologygraceliana.blogspot.com/

http://astronomy-graceliana.blogspot.com/

http://theoryofbiologygraceliana.blogspot.com/

http://www.revistafatorbrasil.com.br/ver_noticia.php?not=29475
O trabalho se complementará com.

1-A teoria do universo fluxonário estruturante e cosmofísica graceliana.
2-Teoria de astronomia graceliana de energeticidade e radiação.
3-Teoria de astronomia de alternancidade e variância.
4-Teoria de astronomia da origem, rotação, afastamento e progressão.
5-Teoria de astronomia de fisicidade, desintegração e reintegração.
6-Teoria geral para a astronomia e o cosmo.
7-Teoria da microfísica e da química.
8-Teoria da unidade geral.

TEORIA DO UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE A PARTIR DO ESPAÇO DENSO, e TEORIA DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO.Autor – Ancelmo Luiz Graceli.Ancelmoluizgraceli@hotmail.comTel. 27- 32167566Rua Itabira, nº 5, Conjunto Itapemirim, Rosa da Penha, Cariacica, E.S. cep.29143 -269.Brasileiro, professor, graduação em filosofia e pesquisador teórico.Livros publicados- ASTRONOMIA, e MUNDO DAS INTERAÇÕES FÍSICAS.Colaborador - Marcio Piter Rangel.Trabalho apresentado a SECT- Espírito Santo- Brasil.E a Sociedade Brasileira de Física.Introdução publicada na WEB pelo Portal Fator Brasil - Canal Perfil. No dia 30.01.2008.Se outras teorias com fundamentos e formulas tiveram aceitação, por que estas não terão? Pois, possui todos os fundamentos e todas as formas de cálculos, e que se confirmam com a realidade e a observação até hoje alcançada. Com mais de cento e dez fórmulas, com as mais variadas formas de se calcular um mesmo fenômeno, com mais de duzentos fundamentos em todas as áreas da física moderna. Inclusive, com novas previsões dentro da cosmologia e astronomia.Apresentado a Revista de Ensino da SBFISICA. Soced. Bras. de Física.Brazilian Journal of Physics - SBFISICA

terça-feira, 14 de setembro de 2010

15 de junho de 2009

ancelmo

Quem sou eu

professor - pesquisador

Meus blogs

Membros da equipe

Theory of universe fluxonário estruturante graceli  
BRAZIL physics – theory of physics - GRACELI  
TEORIA DA BIOLOGIA GRACELIANA 1  
metafísica - metafenomenia graceliana  
teoria de biologia, astronomia.cosmo...  
Astronomia de rotacionalidade, alternancidade grac  
SESBRAC . SOCIEDADE ESPÍRITO SANTO - BRASIL DE A  
ASTROPHYSICS - GRACELIANA 1  
Physics – Astronomy – quarta–quinta –sexta -sétima  
AMERICAN -BRAZILIAN journal of matematics- graceli  
Brazil – physics – energetic and radiation - grace  
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA  
FIFTH THEORY OF ASTRONOMY GRACELIANA 3  
TEORIA DE LA BIOLOGIA E VITALISMO GRACELIANO  
Revolução Cientifica Graceliana  
Química e física –teoria della unificação por inte  
COMPARAÇÕES ENTRE GRACELI E PENSADORES  
GUG – GRANDE UNIFICAT. GRACELI – FÍSI- QUÍM.BIO-P  
SÉTIMA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA  
teoria da cosmofísica - graceliana.  
TEORIA DE ASTRONOMIA DA ENERGETICIDADE. RADIAÇÃO.  
GUG – Grande Unificação Graceliana -Paralela  
VITALPSICOLOGIA GRACELIANA- segund -segunda teoria  
astronomia graceliana - nona e décima teoria  
cosmologie e cosmofisica-grac...  
theory of cosmology graceliana  
COSMOLOGY UNIFICATION - graceli  
teoria cósmica e astronômica da GRACELONGÊNESE  
TEORIA DE BIOLOGIA GRACELIANA  
previsões cosmológicas e astronômicas - graceli  
astronomie graceliana  
sexta teoria de astronomia graceliana  
COSMOLOGY UNIFICATION - graceli  
quarta teoria da la astronomia graceliana  
Astronomy of graceli  
ancelmo luiz graceli -pinturas e nanopinturas  
sexta teoria de astronomia graceliana  
PRIMEIRA TEORIA DE PSICOLOGIA GRACELIANA  
Ancelmo Luiz Graceli - teorias 3  
teoria di biologia e vitalsmo graceliano  
Brazilian-Journa...  
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA ESTRTUTURANTGRAC...  
Psicovitalidade e psicogênese – terceira teoria gr  
ANCELMO LUIZ GRACELI - TEORIAS 4  
astronomy theory graceliana -sétima.  
astronomie - graceli - o movimento de lateralidadr  
ASTRONOMY-GRACEL...  
THÉORIE DE BIOLOGIE GRACELIANA  
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA  
quarta teoria de astronomia graceliana  
astronomia del movimento de la lateralidade - grac  
ASTRONOMIA DE ENERGETICIDADE, ROTAÇÃO E FLUXOS.  
Química –física – GRANDE UNIFICAÇÃO GRACELIANA  
ASTRONOMÍA DE LA ENERGÍA, DEL MASER, DE SECUENCIAS  
metafÍsica graceliana - CRÁCIO - RÉS  
CÁLCULO INFINITESIMAL ANGULAR GRACELIANO  
Química – astroquímica – geofísica – física –micro  
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA  
Astronomia graceliana – décima terceira a vigésima  
TRATADO da razäo transcendental - graceli  
ASTRONOMIA DI ENERGIA, DEL Maser, DEI FLUSSI, DELL  
THEORY OF UNIVERSE FLUXONARY  
ASTRONOMY OF ENERGY, MASER, STREAMS, VARIATIONS, R  
teoria de biologia da inversâo e unificação - grac  
ancelmo luiz graceli teorias 2  
ASTRONOMIA – Graceli - décima à vigésima terceira  
PRIMEIRO SISTEMA FILOSÓFICO ´GRACELIANO CRACIOLÓGI  
Graceli - ASTRONOMIE - magnet-rotacion. alternanc.  
GUG - GRACELI GRAND UNIFICATION - Sinfonia Complet  
FILOSOFISMO E FILOSOGIA GRACELIANA CRACIOLÓGICA  
Psicovitalidade –psicogênese – terceira teoria gra  
Graceli Unificação – química- física cosmofísica -  
Theory of physics – GUG- GRACELI GRAND UNIFICATION  
oitava teoría de la astronomia graceliana  
GEOFÍSICA – teoria de la atmosfísica – graceli uni  
FILOSOFIA CRACIOLÓGICA GRACELIANA  
BIOLOGIA GRACELIANA VITALISMO DIVINISMO  
graceli - unicidade cosmológica e energeticuns  
Graceli desenvolve fórmulas -afastamento e formato  
astronomie - EFEITOS graceli  
graceli - unicidade biológica - vitalicidade  
Física – teoria de la física – grande Unificação G  
autocosmo  
THEORY OF BIOLOGY GRACELIANA  
metapsicologia graceliana  
Ancelmo Luiz Graceli - teorias  
psicovitalidade - PSICOCRACIOLOGIA GRACELIANA  
GRACELI - Desenvolve fórmulas para a Rotação.  
theorie der astronomie - kosmologie - graceli  

Blogs que eu sigo

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

ancelmo

Quem sou eu

professor - pesquisador

Meus blogs

Membros da equipe

Theory of universe fluxonário estruturante graceli 
BRAZIL physics – theory of physics - GRACELI 
TEORIA DA BIOLOGIA GRACELIANA 1 
metafísica - metafenomenia graceliana 
teoria de biologia, astronomia.cosmo... 
Astronomia de rotacionalidade, alternancidade grac 
SESBRAC . SOCIEDADE ESPÍRITO SANTO - BRASIL DE A 
ASTROPHYSICS - GRACELIANA 1 
Physics – Astronomy – quarta–quinta –sexta -sétima 
AMERICAN -BRAZILIAN journal of matematics- graceli 
Brazil – physics – energetic and radiation - grace 
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA 
FIFTH THEORY OF ASTRONOMY GRACELIANA 3 
TEORIA DE LA BIOLOGIA E VITALISMO GRACELIANO 
Revolução Cientifica Graceliana 
Química e física –teoria della unificação por inte 
COMPARAÇÕES ENTRE GRACELI E PENSADORES 
GUG – GRANDE UNIFICAT. GRACELI – FÍSI- QUÍM.BIO-P 
SÉTIMA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA 
teoria da cosmofísica - graceliana. 
TEORIA DE ASTRONOMIA DA ENERGETICIDADE. RADIAÇÃO. 
GUG – Grande Unificação Graceliana -Paralela 
VITALPSICOLOGIA GRACELIANA- segund -segunda teoria 
astronomia graceliana - nona e décima teoria 
cosmologie e cosmofisica-grac... 
theory of cosmology graceliana 
COSMOLOGY UNIFICATION - graceli 
teoria cósmica e astronômica da GRACELONGÊNESE 
TEORIA DE BIOLOGIA GRACELIANA 
previsões cosmológicas e astronômicas - graceli 
astronomie graceliana 
sexta teoria de astronomia graceliana 
COSMOLOGY UNIFICATION - graceli 
quarta teoria da la astronomia graceliana 
Astronomy of graceli 
ancelmo luiz graceli -pinturas e nanopinturas 
sexta teoria de astronomia graceliana 
PRIMEIRA TEORIA DE PSICOLOGIA GRACELIANA 
Ancelmo Luiz Graceli - teorias 3 
teoria di biologia e vitalsmo graceliano 
Brazilian-Journa... 
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA ESTRTUTURANTGRAC... 
Psicovitalidade e psicogênese – terceira teoria gr 
ANCELMO LUIZ GRACELI - TEORIAS 4 
astronomy theory graceliana -sétima. 
astronomie - graceli - o movimento de lateralidadr 
ASTRONOMY-GRACEL... 
THÉORIE DE BIOLOGIE GRACELIANA 
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA 
quarta teoria de astronomia graceliana 
astronomia del movimento de la lateralidade - grac 
ASTRONOMIA DE ENERGETICIDADE, ROTAÇÃO E FLUXOS. 
Química –física – GRANDE UNIFICAÇÃO GRACELIANA 
ASTRONOMÍA DE LA ENERGÍA, DEL MASER, DE SECUENCIAS 
metafÍsica graceliana - CRÁCIO - RÉS 
CÁLCULO INFINITESIMAL ANGULAR GRACELIANO 
Química – astroquímica – geofísica – física –micro 
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA 
Astronomia graceliana – décima terceira a vigésima 
TRATADO da razäo transcendental - graceli 
ASTRONOMIA DI ENERGIA, DEL Maser, DEI FLUSSI, DELL 
THEORY OF UNIVERSE FLUXONARY 
ASTRONOMY OF ENERGY, MASER, STREAMS, VARIATIONS, R 
teoria de biologia da inversâo e unificação - grac 
ancelmo luiz graceli teorias 2 
ASTRONOMIA – Graceli - décima à vigésima terceira 
PRIMEIRO SISTEMA FILOSÓFICO ´GRACELIANO CRACIOLÓGI 
Graceli - ASTRONOMIE - magnet-rotacion. alternanc. 
GUG - GRACELI GRAND UNIFICATION - Sinfonia Complet 
FILOSOFISMO E FILOSOGIA GRACELIANA CRACIOLÓGICA 
Psicovitalidade –psicogênese – terceira teoria gra 
Graceli Unificação – química- física cosmofísica - 
Theory of physics – GUG- GRACELI GRAND UNIFICATION 
oitava teoría de la astronomia graceliana 
GEOFÍSICA – teoria de la atmosfísica – graceli uni 
FILOSOFIA CRACIOLÓGICA GRACELIANA 
BIOLOGIA GRACELIANA VITALISMO DIVINISMO 
graceli - unicidade cosmológica e energeticuns 
Graceli desenvolve fórmulas -afastamento e formato 
astronomie - EFEITOS graceli 
graceli - unicidade biológica - vitalicidade 
Física – teoria de la física – grande Unificação G 
autocosmo 
THEORY OF BIOLOGY GRACELIANA 
metapsicologia graceliana 
Ancelmo Luiz Graceli - teorias 
psicovitalidade - PSICOCRACIOLOGIA GRACELIANA 
GRACELI - Desenvolve fórmulas para a Rotação. 
theorie der astronomie - kosmologie - graceli 

Blogs que eu sigo